Pousada Jatobá | Carmo do Rio Claro

Carmo do Rio Claro

relevo

Carmo do Rio Claro é uma cidade de 1.065km² de extensão territorial, banhada pelas águas do lago da represa de Furnas e localizada na região sul de Minas Gerais. Seus primeiros habitantes foram os índios caiapós e negros alforriados que montaram seus quilombos e deram nomes aos rios como Jeticaí e Rio Claro – que corria rente a Serra da Tormenta e desaguava no Sapucaí.

O artesanato de Carmo do Rio Claro é famoso e teve origem durante a segunda metade do século XVIII, com a prática familiar da tecelagem em tear manual que perdura até os dias de hoje. Além do artesanato que movimenta a economia local junto com o turismo, a cidade também é conhecida pela culinária típica mineira e pelas belas paisagens, que atraem turistas de todo o país.

O clima é subtropical, caracterizado por verões úmidos e invernos secos, e a paisagem conta com algumas das principais montanhas do relevo carmelitano como: a Serra do Tabuleiro (1304m), a Serra da Tormenta (1287m) e Pico São Gabriel (1197m).
Com todos estes atrativos naturais, a região de Carmo do Rio Claro atrai pessoas de todos os cantos para realizar diversas atividades de lazer, como:

- Pesca Esportiva
- Atividades Náuticas
- Cavalgadas
- Voo Livre (asa delta e paraglider)
- Trekking
- Mountain Bike
- Turismo Rural
- Passeio em Cachoeiras
- Camping
- Escalada esportiva

Saiba mais sobre a história de Carmo do Rio Claro através do site da prefeitura da cidade.


Lago da represa de Furnas

Furnas

Um cenário ideal para a prática de ecoturismo e pesca.

Com 1.440km de extensão e abrangendo 34 municípios, o lago de Furnas tem capacidade de 22,59 bilhões de m³ de água e, por este motivo, é conhecido como o “Mar de Minas Gerais”. Por toda área encontram-se belezas naturais exuberantes, como cachoeiras, lagos, piscinas naturais e, em certos pontos, formações rochosas com mais de 20 metros de altura.

Lago de Furnas

Furnas é também o nome da empresa de energia elétrica responsável pela usina desde sua criação em fevereiro de 1957 e que, desde 1970, implantou a estação de Hidrobiologia e Piscicultura responsável por produzir espécies nativas como Piracanjuba, dourado, trairão, piau-três-pintas, pau-caranha e curimbatá. No lago também são encontrados mandis, lambaris, tucunarés, além de outras espécies.